O Clube

Flamengo publica mensagem de apoio aos capixabas

O clube carioca criou um vínculo de amizade com o Estado após uma maratona de jogos realizados no ano de 2016, no Estádio Estadual Kleber Andrade, em Cariacica

O Clube de Regatas do Flamengo (CRF) publicou, em sua conta oficial no Instagram, uma foto desejando força aos capixabas, que vivem momentos de crise na segurança pública no Espírito Santo. O clube carioca criou um vínculo de amizade com o Estado após uma maratona de jogos realizados no ano de 2016, no Estádio Estadual Kleber Andrade, em Cariacica.

“Desejamos que tudo possa voltar ao normal o mais rápido possível, povo capixaba! #ForçaES”, legendou o clube. Veja:

‪Desejamos que tudo possa voltar ao normal o mais rápido possível, povo capixaba! #ForçaES ‬

Uma foto publicada por Flamengo (@flamengo) em Fev 8, 2017 às 10:34 PST

 

Fonte: Folha de Vitória

Padrão
O Clube

Nova Fifa só considera oficiais Mundiais de Clubes a partir de 2000

A nova Fifa, sob administração do presidente Gianni Infantino, só considera campeões mundiais os vencedores dos torneios realizados a partir de 2000, no formato atual do Mundial de Clubes. Em um comunicado ao jornal “Estado de S. Paulo”, a entidade esclareceu seus critérios, tirando o status de mundial de títulos como o do Palmeiras em 1951 ou dos demais clubes brasileiros que venceram os confrontos intercontinentais entre campeões da Liga dos Campeões (ou seu equivalente) e Libertadores.

Política, a entidade não ignora as conquistas de Palmeiras, Santos, Grêmio, Flamengo, São Paulo e outros clubes do mundo entre 1950 e 2004, mas desqualifica os títulos intercontinentais.

“A Fifa reconhece e valoriza as iniciativas de estabelecer competições de clubes de dimensões mundiais ao longo da história. Esse foi o caso de torneios envolvendo clubes europeus e sul-americanos, como a pioneira Copa Rio, jogada em 1951 e 1952, e a Copa Intercontinental”, diz o comunicado.

“Entretanto, não foi até 2000 que a Fifa organizou o estreante Mundial de Clubes das Fifa, com representantes de todas as seis confederações. Os vencedores dessa competição, que passou a ser organizada anualmente a partir de 2005, são aqueles considerados oficialmente pela Fifa como campeões mundiais de clubes”, definiu.

Com as alterações nos parâmetros utilizados pela entidade, que tinha uma postura diferente há três anos, com Joseph Blatter na presidência, o Brasil passaria a ter apenas três campeões mundiais “oficiais”. São eles o São Paulo em 2005, o Internacional em 2006 e o Corinthians em 2000 e 2002.

Na antiga contagem, o tricolor paulista é o maior vencedor de mundiais, com três títulos, sendo dois deles no antigo intercontinental (1992 e 1993). Santos e Corinthians têm dois, sendo que os títulos do clube do litoral paulista datam de 1962 e 1963. Flamengo e Grêmio conquistaram a taça em 1981 e 1983, respectivamente.

O “Estado de S. Paulo” já havia feito consultas à entidade em 2014 e 2015 a respeito do tema. Em 2014, Blatter informou que enviaria certificado a cada um dos campeões mundiais dos torneios que antecederam o Mundial de Clubes da Fifa. Em 2015, a entidade disse que reconhecia o título do Palmeiras em 1951 como a primeira competição mundial, sem avaliar uma diferença entre aquele título e os que o sucederiam.

Confira a lista dos campeões dos Mundiais de clubes organizados pela Fifa

  • 2000: Corinthians
  • 2005: São Paulo
  • 2006: Internacional
  • 2007: Milan
  • 2008: Manchester United
  • 2009: Barcelona
  • 2010: Inter de Milão
  • 2011: Barcelona
  • 2012: Corinthians
  • 2013: Bayern de Munique
  • 2014: Real Madrid
  • 2015: Barcelona
  • 2016: Real Madrid

Fonte: UOL

Padrão
O Clube

Campeões da Copa BR deixam Fla pela ‘porta dos fundos’

O Flamengo começa 2017 com uma considerável economia em salários para a temporada. O departamento de futebol calcula em R$ 12 milhões pelo fato de realocar 16 jogadores em outros clubes. Todos voltariam de empréstimos e apenas o meia Jajá ainda não foi negociado.

De todos os atletas que se transferiram, Mugni rescindiu o contrato e três deixarão o Rubro-negro pela “porta dos fundos”. O volante Luiz Antonio e os atacantes Paulinho e Rafinha foram campeões da Copa do Brasil de 2013 e não têm mais chances de atuarem pelo clube da Gávea.

Luiz Antonio foi emprestado para a Chapecoense e encerra o vínculo com o Flamengo em 31 de dezembro. Rafinha está no Thai Ronda, da Tailândia, e tem contrato até 31 de janeiro de 2018. Paulinho foi para o Vitória e o compromisso com os cariocas se encerra em 28 de fevereiro de 2018.

Apesar de os vínculos de Rafinha e Paulinho só terminarem no começo do próximo ano, os dois não jogarão mais pelo Flamengo. Com isso, jogadores que conquistaram um título nacional importante, mas que também deram dor de cabeça aos dirigentes, encerram as respectivas trajetórias com a camisa rubro-negra.

Além de Jajá, o Flamengo também estuda a situação de Canteros, emprestado ao Vélez até o meio do ano e que não está nos planos do departamento de futebol. A economia de R$ 12 milhões gerada pelas realocações ajudam o clube na gestão do elenco, mas não garantem imediatamente fôlego financeiro para reforços, já que gastar com os atletas em questão não estava no orçamento de 2017.

Também houve uma economia de última hora em salários com o goleiro Paulo Victor, emprestado ao Gaziantepspor, da Turquia, por um ano e meio. No entanto, o ex-titular não faz parte da lista de realocados, já que era peça do elenco na avaliação da comissão técnica.

Confira a lista dos jogadores realocados pelo Flamengo:

Luiz Antonio – Chapecoense
Paulinho – Vitória
Rafinha – Thai Ronda (Tailândia)
Léo – Atlético-PR
Muralha – Pohang (Coreia do Sul)
Trindade – Ceará
Douglas Baggio – Ceará
César – Ferroviária
Jonas – Coritiba
Nixon – RB Brasil
Dumas – Global FC (Filipinas)
Daniel dos Anjos – Atletico-GO
Daniel – Maccabi Tel Aviv (Israel)
Gabriel Ramos – Cuiabá
Canteros – Vélez (Argentina)
Mugni (rescisão contratual)

Fonte: UOL

Padrão
O Clube

5 motivos para acreditar no Flamengo de 2017

Por João Luis Jr., do Isso Aqui é Flamengo

Manutenção do grupo

Quer você goste ou não do time do Flamengo que encerrou o ano de 2016 – e eu sei que vários de nós tem suas dúvidas sobre Gabriel, questionam até onde pode ir a boa fase de Pará e nem vamos falar sobre Márcio Araújo pra não gastar o dia todo nisso –, é interessante perceber que, dos 11 titulares que começaram a partida contra o Santos no Maracanã, todos continuam no clube. Conseguir terminar uma temporada sem perder jogadores importantes, apenas descartando atletas que não contribuíram e trazendo peças de reposição superiores – para Trauco ser pior do que Chiquinho ele precisa ter treinado a vida toda pra isso numa ilha onde ninguém sabe cruzar –, é um excelente passo para ter uma equipe competitiva, passo esse que raramente o Flamengo costuma dar.

Diego

ESPN

ESPN

Se o meio de campo do Flamengo fosse uma princesa adormecida, Diego seria o príncipe encantado. Se a criação rubro-negra era um Aladim vivendo de pequenos roubos, Diego é um gênio atendendo pedidos. Se nossa equipe era o exército chinês, Diego seria a jovem Mulan se vestindo de homem para… Bem, vocês entenderam. Diego caiu como uma luva no Flamengo, tanto no aspecto tático quanto técnico, tanto dentro do grupo quanto no coração da torcida. Cada vez mais entrosado, cada vez mais identificado, Diego consegue ser ao mesmo tempo diferenciado e extremamente regular, um camisa 10 muito acima da média do futebol brasileiro e que tende em 2017 a fazer ainda mais a diferença do que já fez ano passado.

Guerrero

Gazeta Press

Gazeta Press

Após um começo fantástico e alguns momentos em que fez a gente sentir saudades sinceras de Hernane Brocador, Guerrero parece estar vivendo seu melhor momento no Flamengo. Os gols estão saindo, as atuações estão sendo decisivas e agora tem até um amigo peruano na equipe para trocar aquela ideia sobre quais as melhores pachamancas de Arequipa. Famoso pelos seus gols decisivos e pelas atuações na seleção peruana, talvez a Libertadores, onde todo jogo é uma batalha e todo adversário é internacional, seja o ambiente perfeito para que o peruano finalmente se torne ídolo de verdade da nação rubro-negra e justifique o papel de destaque que tem no clube desde a sua contratação.

A força da base

Mais do que uma promessa que ouvimos todo ano – “vamos aproveitar mais a base”, “vamos dar mais chance para a prata da casa” –, nessa temporada aparentemente se trata de uma política do clube, anunciada por Rodrigo Caetano. E que faz todo sentido do mundo. Afinal, com 3 jogadores na seleção sulamericana sub 20 e com equipes de base que constantemente fazem ótimas campanhas, já passou da hora do Flamengo se conscientizar de que, entre um reforço pra compor elenco com um salário alto ou um garoto da base querendo mostrar serviço, a base deveria sempre ser priorizada. Com todas as opções que Zé Ricardo tem pra esse ano, nos mais variados setores, 2017 tem tudo pra garantir mais chances para os garotos, ainda mais com o número alto de competições que temos pela frente.

O estádio da Ilha

Depois de um 2016 itinerante que terminou com o nosso retorno ao Maracanã, nos vimos novamente sem casa devido a novos problemas com a concessão do mesmo estádio. A possibilidade da Ilha do Governador, com um estádio enxuto, em estilo caldeirão, pode ser um fator que ajude o Flamengo, com menos desgastes em longas viagens, mais proximidade física com a torcida e uma solução financeira mais prática para o clube. Ainda que a solução ideal seja um estádio próprio – construindo ou administrando o Maracanã, se ele ainda não tiver sido roubado tijolo por tijolo até o fim dessa semana –, a Ilha pode ser uma solução temporária que já comece a fazer a diferença nesse ano de 2017. Um estádio rubro-negro, seja ele onde for, do tamanho que for, já nasce como um dos maiores do mundo.

Padrão
O Clube

Fla dá retoques finais e inaugura CT de R$ 15 milhões com presença de Zico

Na próxima terça-feira (13), o Flamengo celebra os 35 anos do título Mundial Interclubes em grande estilo. Depois de inúmeros adiamentos e de pelo menos quatro anos em obras, o módulo para o futebol profissional do CT Ninho do Urubu, em Vargem Grande, zona oeste do Rio de Janeiro, será inaugurado.

O investimento na ordem de R$ 15 milhões sai do papel com ajuda da economia gerada pela adesão do Rubro-negro ao Profut (Programa de Modernização da Gestão e de Responsabilidade Fiscal do Futebol Brasileiro), da venda de títulos de sócio-proprietário e de parcerias.

O evento do dia 13 de dezembro terá algumas cerimônias. O pórtico do CT, a praça da bandeira, o campo de grama sintética e o módulo profissional serão inaugurados. Grandes ídolos do clube estarão presentes. Capitaneados por Zico, os campeões mundiais de 1981 receberão homenagens.

Miguel Trauco estaria fechado com Flamengo

Negociações adiantadas! Fla oferece 3 anos de contrato para volante

O local de treinos do Flamengo a partir de janeiro terá dois campos, vestiários, sala de musculação, departamento médico, 24 suítes duplas, refeitório, auditório, sala de imprensa, salão de jogos, biblioteca e um moderno parque aquático com piscinas para a recuperação de lesões.

A estrutura utilizada neste ano pelos profissionais passará em sua maioria ao dia a dia das categorias de base. O clube aplicou R$ 2 milhões no espaço provisório. O CEP FLA (Centro de Excelência em Performance) terá os equipamentos deslocados para o novo espaço. O Flamengo investiu R$ 10 milhões no Ninho do Urubu apenas em 2016. O número é consideravelmente superior aos R$ 900 mil do ano passado.

“É uma alegria enorme, uma conquista. Era um desejo do Flamengo há muitos anos. Lembro exatamente da primeira vez em que estive no CT. Tínhamos dois campos e um barracão. É um legado que deixamos para a história do Flamengo. Vamos para a segunda etapa. A partir de maio, as obras no CT da base serão iniciadas. Até o final da gestão [dezembro de 2018], entregaremos um centro de treinamento de primeiro mundo ao clube”, comentou o vice-presidente de patrimônio, Alexandre Wrobel.

Fonte: uol

Padrão
O Clube

Flamengo prevê arena pronta até o fim de 2018

Arena Multiuso do Flamengo (Foto: Divulgação)

Depois de conseguir a licença final da Prefeitura do Rio de Janeiro nesta segunda-feira, a diretoria do Flamengo finalmente pode trabalhar com um prazo mais concreto para ter pronta a sua casa própria no basquete, a Arena Multiuso da Gávea. De acordo com o vice-presidente de patrimônio do Rubro-negro, Alexandre Wrobel, a previsão é que as obras do novo ginásio sejam finalizadas até o fim de 2018.

Para isso, o Conselho Deliberativo do Fla ainda precisa aprovar o contrato firmado com o McDonald’s, empresa que vai investir quase R$ 30 milhões na construção e depois poderá explorar comercialmente a arena com capacidade para cerca de 3.500 pessoas.

– A reunião do Conselho deve acontecer em janeiro, e depois que houver a aprovação as obras poderão ser iniciadas. O tempo total de construção é de cerca de um ano e meio, então a arena deve ficar pronta até o final de 2018. Primeiro tem que fazer a preparação do solo, e esperamos que entre março e abril do ano que vem as obras comecem mesmo – explicou Wrobel.

Arena Multiuso do Flamengo (Foto: Divulgação)
Local onde será construída a arena na Gávea (Foto: Divulgação)

Quando os dirigentes do Flamengo apresentaram o projeto em outubro de 2014, o planejamento era de que a conclusão da arena acontecesse até o fim de 2015, e o local fosse inclusive utilizado para treinamento durante a Olimpíada de 2016. Com o atraso por causa de dificuldades com questões burocráticas para conseguir as liberações necessárias, o time rubro-negro de basquete ficou sem casa fixa e muitas vezes encontrou problemas para encontrar um local de jogo.

Atualmente no Campeonato Carioca e no NBB (Novo Basquete Brasil), a equipe tem jogado no ginásio do Tijuca. A estrutura antiga do lugar, no entanto, é um problema que incomoda jogadores, dirigentes, torcedores e imprensa. A final do Estadual deste ano contra o rival Vasco, por exemplo, está recheada de polêmicas por causa do impasse sobre onde seria a decisão. Nas temporadas anteriores, o Flamengo também mandou partidas maiores na Arena da Barra e jogos menores no ginásio Hélio Maurício, na Gávea.

A ideia da diretoria rubro-negra é usar a nova Arena Multiuso para confrontos das fases iniciais, que atraem menos público, levando os jogos decisivos e clássicos para ginásios com capacidade maior, como a Arena da Barra, Arena Carioca ou Maracanãzinho. A nova arena da Gávea também será utilizada por outra modalidades, como vôlei e futsal.

Arena Multiuso do Flamengo (Foto: Divulgação)Arena Multiuso da Gávea terá capacidade para 3.500 pessoas (Foto: Divulgação)
Fonte: Globoesporte.com
Padrão