A Nação

Paixão forjada no sofrimento

Guarda-chuva nas mãos, procurando a melhor posição para escapar da água que o vento jogava contra o corpo, tentando enxergar o campo, sem entender exatamente o que acontecia no gramado. Mas ali, firme. Era uma missão a cumprir. Quem esteve, por exemplo, num sábado à noite sob tempestade na geral do Maracanã sabe o que significava. Só mesmo uma paixão incondicional levaria alguém a tamanha aventura, que sequer era encarada como tal.

Atacante Podolski parabeniza o Flamengo

Everton Ribeiro: jogador fala sobre volta ao Brasil em 2017

Fla poupa Muralha após viagem e vai de Paulo Victor

Acompanhar o time é algo sagrado, como o fiel que não deixa de comparecer à missa. Orgulho-me por, durante parte de minha vida, ter me relacionado assim com meu clube, pois comecei a ver o Flamengo frágil. Minha estreia no Maracanã foi diante do Vasco, então o campeão da Guanabara. Na oportunidade, Yustrich escalou um 4-2-4 com Ubirajara Alcântara, Murilo, Washington, Reyes e Tinteiro; Liminha e Zanata; Buião (Onça), Dionísio (Nei Oliveira), Roberto Miranda e Caldeira.

Dé fez o único tento do cotejo, ainda no primeiro tempo. Sempre levado por meu pai, demorei a ver vitória no Maracanã, um 2 a 1 sobre o Botafogo mais ou menos um ano e quatro jogos depois. Assim, aprendi cedo que derrotas não tiram sua paixão por uma camisa, pelo contrário, ela só aumenta.

Zico faria sua primeira aparição entre os profissionais meses depois, ainda com 18 anos de idade. Os tempos de glória viriam quase uma década mais tarde. Torcer pelo Flamengo não era tarefa fácil, em que pese os títulos estaduais de 1972 e 1974, este o primeiro do maior ídolo de nossa história.

Foi um período em que o Botafogo aplicou 6 a 0 no dia do 77º aniversário rubro-negro, o Vasco se transformou em campeão brasileiro, o que nenhum carioca conseguira até então; e o Fluminense montou a “Máquina” bicampeã do Rio. Enquanto isso o Flamengo era 14º, 12º, 24º, 6º, 7º, 5º, 9º, 16º, 12º no campeonato nacional.

Fácil lembrar os áureos tempos nos quais saíamos de casa para o Maraca certos da vitória. Por mais paradoxal que possa parecer, me orgulho por ter sido forjado torcedor na dificuldade, nas vitórias não tão frequentes, na dor profunda das derrotas que deixam marcas, mas que formam o caráter.

Não, naqueles tempos não saíamos de casa para ver o time de grandes jogadores, de craques que quase com toda a certeza nos levariam a mais um triunfo. Naqueles tempos saíamos de casa para ver o Flamengo. Apenas o Flamengo. Por amor ao Flamengo.

Mauro Cezar Pereira é jornalista e, após passagens por O Globo, O Dia, Jornal dos Sports, Placar e Rádio CBN, é hoje integrante do time de comentaristas da ESPN Brasil.

 

Padrão
A Nação

“O Maraca é nosso”: torcida do Fla protesta e pede liberação do estádio

Depois de parar aeroportos, carregar os jogadores na ida e na volta para São Paulo, a mobilização da torcida rubro-negra agora é pela liberação do Maracanã. O estádio está entregue à Rio 2016 até o dia 30 de outubro, mas o clube ainda tem esperanças de conseguir atuar no Maraca dia 23 contra o Corinthians. Para isso, conta com a pressão da Nação.

Marcha do Maraca - Flamengo (Foto: Raphael Zarko/ Globoesporte.com)Torcedores foram caminhando da Central do Brasil até o estádio (Foto: Raphael Zarko/ Globoesporte.com)

Centenas de rubro-negros caminharam da Central do Brasil até o estádio no início desta tarde de sábado. Aos gritos de “O Maracanã é nosso”, com direito a protesto na frente da prefeitura – o Maracanã é equipamento esportivo estadual – e cobrança a políticos e ao comitê organizador dos jogos, os torcedores foram acompanhados de seis carros de polícia que tentavam organizar o trânsito no trajeto até o antigo Maior do Mundo.

Zé fala em até duas trocas, e Fernandinho deve permanecer no time

Com Mozer, jogadores que não andam na linha “desaparecem” do Fla

Direto do STJD: Procuradoria denuncia Palmeiras e volante do Fla

“A Marcha pelo Maraca” foi organizada pelo Facebook. No texto do movimento, os manifestantes lembram que o Flamengo queria atuar já em outubro no estádio. As negociações para que o Rubro-Negro – e também o Fluminense – antecipe o retorno ao estádio são consideradas delicadas, mas ainda há esperança de jogar no Maracanã antes de novembro. O grupo quer pressionar para que o Flamengo enfrente o Santa Cruz, dia 9 de outubro, no estádio. O Flamengo deve levar a partida para o Pacaembu, em São Paulo.

Marcha do Maraca - Flamengo (Foto: Reprodução)Torcedores que estavam no protesto foram acompanhados por policiais  (Foto: Reprodução)

Confira abaixo a carta do manifesto #MarchaPeloMaraca:

“Os Jogos Olímpicos e Paralímpicos acabaram. Chegou a hora de voltar pra nossa casa!

O nosso estádio está à disposição do comitê Rio 2016 desde o início do ano e nós não vamos aceitar nem mais uma semana longe dele. 

O Flamengo, inicialmente, pretendia disputar 7 jogos no Maracanã: Cruzeiro, Santa Cruz, Fluminense, Corinthians, Botafogo, Coritiba e Santos. 

Mas, lamentavelmente, o comitê Rio 2016 está fazendo de tudo para dificultar nossa vida e deu uma previsão absurda para desmontar toda a estrutura olímpica e liberar o estádio: mais de um mês. 

Ou seja, o Flamengo só poderia voltar para casa em novembro. E ao invés de 7, faria apenas 3 jogos no estádio. 

Entretanto, especialistas do ramo garantem que essa desmontagem pode ser feita em um prazo infinitamente menor. E nosso objetivo aqui é mobilizar a imprensa e pressionar o comitê Rio 2016 para liberar o estádio muito antes desse prazo.

E o Flamengo já se prontificou a assumir esses custos para voltar a jogar no Maracanã o mais rápido possível. 
Então, resumindo, eles podem, sim, devolver o estádio! 

E se não fizerem por bem, farão pressionados por uma Nação inteira!

Vamos pressionar, de forma pacífica, os organizadores dos Jogos Olímpicos a liberarem o Maracanã para o jogo contra o Santa Cruz, dia 09/10. 

Nossa ideia é fazer o trajeto Central – Rio 2016 – Maracanã, em cerca de 1 hora de caminhada (30 minutos entre cada ponto). 

Concentração as 11:00 na Central e saída às 12:00 em direção ao Comitê Rio 2016 
(ao lado da Prefeitura, na Cidade Nova)

Em seguida, iremos em direção ao Maracanã, terminando o ato com a grande festa que já estamos acostumados a fazer! 

Vamos cantar nossas músicas e fazer muito barulho. Levem cartazes, bolas, sinalizadores e bandeiras.

Se com o #AeroFla fizemos aquela festa, imagina lutando pela volta da nossa casa!
#MarchaPeloMaraca

Vai ser histórico! Confirmem presença!”

Fonte: Globoesporte.com

Padrão