Jogadores

Flamengo e Vélez chegam a acordo, e Canteros será emprestado por um ano

O volante Hector Canteros está de malas prontas para voltar à Argentina. Ele chegou a um entendimento com o Vélez Sársfield, clube que o revelou, e com o Flamengo para ser emprestado por um ano. A negociação ainda não foi concluída, mas, de acordo com o empresário do jogador, isso não deve demorar a acontecer.

– Está muito perto de acontecer, muito. Faltam alguns detalhes que a gente aqui da Argentina precisava e também do Flamengo, mas vai dar certo. Ele está muito feliz por poder voltar ao clube de onde saiu e por ter mais oportunidades. Estive no Rio na semana passada e nos últimos dias concluímos com Rodrigo. Acho que amanhã já finaliza ou no máximo segunda-feira – afirmou o empresário de Canteros, Hernán Jara.

Atacante Podolski, do Galatasaray, faz ensaio com camisa do Flamengo

Ex-Fla comemora boa fase no Japão e deixa recado a Diego: “Só ter vontade”

Zé Ricardo acredita que não deve ter Diego no primeiro turno do Brasileiro

O GloboEsporte.com entrou em contato com o Flamengo, que não negou a informação. Segundo o clube, “falta ainda a confirmação”. Canteros tem contrato original com o Rubro-Negro até junho de 2017, mas, na negociação de empréstimo, acertou a renovação por mais um ano. Ainda não está definido se o gringo chega ao Vélez com direitos econômicos fixados para que o clube argentino exerça a opção de compra ao fim do empréstimo.

Apesar de insatisfeito, nos treinos Canteros, que é chamado de Tito pelo grupo, brinca muito (Foto: Gilvan de Souza/Flamengo)

Jogador de boa técnica e visão de jogo, Canteros teve sequência maior na Gávea entre 2014 e 2015, seus dois primeiros anos no clube. Com a chegada de Muricy Ramalho, perdeu muito espaço e atuou em apenas sete dos 42 jogos do Flamengo na atual temporada. Zé Ricardo ainda o colocou nos duelos com Atlético-MG (2×0) e Botafogo (3×3), mas o argentino de 27 anos não obteve destaque.

Revelado pelo Vélez e com passagem pelo Villarreal, da Espanha, Canteros estreou pelo Fla em julho de 2014. Foram 96 jogos, cinco gols marcados e nenhum título conquistado.

Fonte: Globoesporte.com

Padrão
Jogadores, O Clube

Atacante Podolski, do Galatasaray, faz ensaio com camisa do Flamengo

Podolski com a camisa do Flamengo em ensaio
Podolski com a camisa do Flamengo em ensaio Foto: Reprodução / Twitter

O mais brasileiro entre os alemães, o atacante Lukas Podolski voltou a demonstrar o carinho que sente pelo Flamengo. O jogador do Galatasaray fez um ensaio de fotos com a camisa preta do time. O próprio Twitter oficial do Rubro-Negro compartilhou as imagens na noite desta sexta-feira.

Flamengo e Vélez chegam a acordo, e Canteros será emprestado por um ano

Zé Ricardo acredita que não deve ter Diego no primeiro turno do Brasileiro

O antes e o depois do CT em fotos

No início deste mês, Podolski ganhou uma camisa da equipe carioca e fez várias fotos no Snapchat com o manto sagrado. O Facebook do Flamengo chegou a tirar onda na web.

“Está bem vestido, hein, Lukas Podolski? O craque alemão Lukas Podolski recebeu nosso presente e já ostentou o Manto Sagrado em seu snapchat!”, escreveu o perfil do time.

Podolski com a camisa do Flamengo em ensaio
Podolski com a camisa do Flamengo em ensaio Foto: Reprodução / Twitter
Podolski com a camisa do Flamengo em ensaio
Podolski com a camisa do Flamengo em ensaio Foto: Reprodução / Twitter
 Fonte: Extra
Padrão
O Clube

Ex-Fla comemora boa fase no Japão e deixa recado a Diego: “Só ter vontade”

Ao acertar a ida para o Yokohama Marinos, do Japão, em março, Kayke se despediu com uma frase: “Saio do Flamengo, mas o Flamengo não sai de mim”. Menos de cinco meses depois, o atacante vive boa fase do outro lado do mundo, mas o coração realmente continua no Rio de Janeiro. O artilheiro da equipe no segundo turno do Campeonato Japonês se divide entre os compromissos diários e os noticiários a respeito do Rubro-negro carioca. Ultimamente, mais motivos para sorrir do que se preocupar, principalmente pela contratação de Diego.

Kayke Yokohama Marinos (Foto: Reprodução/Twitter)Kayke comemora gol com a camisa do Marinos: atacante é o artilheiro do clube no Japonês (Foto: Reprodução/Twitter)

Em entrevista por telefone ao GloboEsporte.com, Kayke, como de costume, não escondeu o lado torcedor do Flamengo e se mostrou confiante num futuro de conquistas. Ao mais badalado reforço da janela, ídolo do atacante criado nas categorias de base do clube, deixou um recado: aliar vontade à qualidade técnica para ganhar o torcedor também dentro de campo.

– Ele é um ídolo. O Diego é um cara experiente, que tem rodagens internacionais por grandes clubes. Revelação do Santos, que também é uma grande equipe brasileira. Seleção brasileira, por onde passou sempre foi bem. Eu sou um admirador do futebol dele, fiquei muito feliz quando vi que o Flamengo estava contratando, porque sei que vai chegar para fazer a diferença. É uma cara que o currículo já fala por si só. Transparece muita verdade, aquilo que colocar dentro de campo vai agradar à torcida do Flamengo. Todos sabem o que o Flamengo significa. É só ele ter vontade, mostrar que quer vencer sempre, que a torcida vai reconhecer isso. Sem contar a qualidade técnica, para jogar tem que ser diferente, e o Diego tem todas as características e tudo para dar certo com a camisa do Mengão.

Zé Ricardo acredita que não deve ter Diego no primeiro turno do Brasileiro

O antes e o depois do CT em fotos

Manto Novo: Fla volta a homenagear Mundial de 81 em novo segundo uniforme; veja fotos

Quando o atacante deixou o Ninho do Urubu, o Flamengo passava por um momento complicado no setor ofensivo, principalmente no ataque. Guerrero não conseguia boa sequência e perdia jogos por causa da seleção do Peru. Hoje, além do peruano ter voltado a marcar, o garoto Felipe Vizeu ganhou a confiança da torcida com quatro gols no Brasileirão, e Leandro Damião outro reforço anunciado pela diretoria. A história, segundo Kayke, poderia ser diferente caso tivesse permanecido no clube.

Kayke Flamengo (Foto: Alexandre Lago/GloboEsporte.com)
Kayke não esconde o amor pelo Flamengo, clube que o revelou (Foto: Alexandre Lago/GloboEsporte.com)

– Acho que se eu estivesse aí eles não teriam contratado dessa forma (risos). Estava fazendo um bom trabalho, não à toa recebi algumas propostas para sair. Tive essa compra efetivada pelo Marinos. Mas se estivesse aí as coisas caminhariam de uma forma diferente, estaria para ajudar, como os que foram contratados. Segui outro caminho, espero um dia voltar, mas fico na torcida de longe. Espero que os reforços que chegaram deem conta do recado, porque a responsabilidade de jogar no Flamengo sempre é grande.

Os primeiros passos no futebol japonês não foram fáceis. A distância da família nos primeiros dois meses dificultaram ainda mais a adaptação. No primeiro turno, 12 jogos e apenas um gol. A equipe demorou a engrenar, precisou de tempo para mostrar resultado e conseguiu a partir da segunda fase. Kayke deslanchou, marcou três gols e deu uma assistência em cinco jogos, aparecendo como peça fundamental do Yokohama Marinos, hoje terceiro colocado da liga nacional. O objetivo é manter a boa fase e levantar a primeira taça ao fim da temporada.

– Quando cheguei a expectativa era começar muito bem, e acabou que não aconteceu isso no geral, como time. Terminamos na 11ª posição no primeiro turno, não foi tão bom, mas no segundo encaixou. Não mudamos nenhuma peça, não chegou nenhum jogador novo e as coisas começaram a acontecer de uma maneira diferente para o time e para mim também. Consegui fazer alguns gols nas últimas rodadas, fui eleito três vezes como melhor em campo nos últimos cinco jogos. Estou muito feliz com o momento, não são nem seis meses ainda, estamos na metade do ano, quero fazer de tudo para terminar bem a temporada da forma que estou agora e com o título da liga.

Confira outros trechos da entrevista: 

GLOBOESPORTE.COM: Qual a maior dificuldade durante a adaptação no Japão, dentro de fora de campo? 

KAYKE: Fora de campo a única dificuldade que tive foi ficar longe da minha família nos dois primeiros meses. Meu filho tinha acabado de nascer quando eu estava no Flamengo, minha esposa, por isso, não pôde vir com ele de início, fiquei aqui sozinho. Foi bem pesado. Para falar a verdade, a adaptação com ambiente, pessoas, comida e até idioma é tranquila. Tenho facilidade para me adaptar, joguei fora em outras oportunidades, passei praticamente cinco anos na Europa, não é novidade estar fora do Brasil. Mas o futebol japonês é muito diferente, rápido, as linhas não dão espaço para jogar. Não tem muito tempo para pensar nas jogadas. A gente costuma dizer que os jogadores aqui não desistem até a bola bater na rede (risos), o japonês dá a vida em todas as jogadas. Querem te atrapalhar de qualquer jeito quando estão sem a bola. No Brasil, quando o jogador está sem a bola dá uma relaxada, guarda energia para usar quando tiver a bola. Aqui é ao contrário, ele corre de qualquer jeito para marcar, defender, e muita das vezes atrapalha. No início é difícil, tem que pegar o ritmo do jogo, pensar mais rápido, mas sem deixar que as características fujam. Eu tive sorte de me adaptar rápido, também de me entrosar com os companheiros e fazer boas atuações. Espero levar até o fim da temporada para que a gente consiga, no mínimo, a classificação para a Champions da Ásia.

Torcida Yokohama Marinos (Foto: Reprodução/Facebook)Torcida do Yokohama Marinos costuma lotar o estádio nos jogos do clube (Foto: Reprodução/Facebook)

Como é o contato com o torcedor japonês?

– Eles não estão acostumados com aquela coisa nossa. O torcedor brasileiro ele é mais caloroso, mais ativo na maneira de abordar. O japonês tem até medo de chegar perto, quando as pessoas te veem na rua, cumprimentam, pedem por favor dez vezes para tirar uma foto, abaixam a cabeça, reverência natural, costume deles. São muito educados, é muito diferente, porque estamos acostumados com outra coisa. Mas é legal, acho bacana, são pessoas diferentes, de culturas diferentes. A torcida, pelo menos aqui no Marinos, é muito boa. O time enche estádio praticamente em todos os jogos, não jogamos com menos de 25, 30 mil pessoas na liga, nosso estádio é um dos principais do Japão, muito grande. Jogos fora também, por ser time grande, leva torcida. Ainda não joguei com estádio vazio no Japão, torcida canta do jeito dela, diferente, mas estamos ali dentro e não escutamos muito. A gente acha bacana o estádio cheio e o torcedor presente.

Em algum aspecto chega perto da do Flamengo?

– Difícil, né (risos)? Não dá para comparar. Falando de Flamengo, como todos nós estamos acostumados com a Nação Rubro-negra, não tem como comparar, porque é surreal. Só quem vive sabe. Muitas pessoas podem escutar, ouvir falar, mas não vão saber do que se trata sem estar presenciando e curtindo aquilo que é único. O que a torcida do Flamengo faz, como se doa pelo time, é impressionante. O japonês é diferente, é muito difícil chegar a esse nível.

Como torcedor rubro-negro, o que achou dos reforços apresentados para a temporada?

– Fiquei muito feliz. Um time como o Flamengo tem que ter jogadores qualificados da forma que está tendo. O Flamengo chegou num nível alto, que só falta um título do Brasileiro nesse ano para concretizar, porque vem fazendo um trabalho incrível, dentro de fora de campo. A diretoria nesses últimos anos está colocando o Flamengo nos trilhos, todos sabem do esforço para quitar as dívidas passadas, toda a questão financeira que sempre foi uma dificuldade. Hoje é tudo ao contrário, o Flamengo é uma das maiores potências do Brasil, vai concluir o centro de treinamento que ficou anos parado, numa obra que parecia que nunca teria fim. Os torcedores e pessoas que trabalham no Flamengo sabem que é questão de tempo para tudo ficar no nível que o clube merece. Como torcedor, fico feliz e espero que tudo que vem sendo feito dê frutos, que são os títulos. Jamais deixarei de acompanhar, porque como diz o hino, uma vez Flamengo, não tem jeito, Flamengo até morrer.

Fonte: globoesporte.com

Padrão
Jogadores, O Clube

Zé Ricardo acredita que não deve ter Diego no primeiro turno do Brasileiro

A empolgação por parte da torcida do Flamengo em ver Diego atuando com a camisa do Rubro-Negro terá que esperar mais um pouco. O meia, que não joga uma partida oficial desde que a temporada europeia se encerrou, realizou os primeiros trabalhos na quinta e foi avaliado pelo Centro de Avaliação em Performance do clube (CEP). Apesar de ainda não ter todos os resultados dos exames, o técnico da equipe, Zé Ricardo, acredita que não deve contar com o Diego ainda no primeiro turno do Brasileirão, muito pela questão física do atleta.

– Não descartaria (contra o Atlético-PR), porque vou ter a avaliação total do CEP. Quando me disserem que ele tem condições, vou colocá-lo pra treinar. Se ele mostrar que pode render, pode ser contra o Atlético. Vejo um pouco mais difícil de ele estrear contra o Atlético. Se treinar bem e tiver condições mínimas que seja para aguentar nem que seja um tempo, não vejo problema algum. Agora a gente quer ele 100% fisicamente mesmo que seja para jogar só um tempo inteiro. Vamos ver com o CEP, mas acho difícil a presença dele no primeiro turno.

Diego, em primeiro dia no Fla, e Zé Ricardo (Foto: Gilvan de Souza/Flamengo)Diego, em primeiro dia no Fla, e Zé Ricardo (Foto: Gilvan de Souza/Flamengo)

Embora esteja ciente de que Diego só deve jogar a partir da 20ª rodada, Zé Ricardo tem motivos para comemorar. Pela primeira vez, a dupla Donatti e Leandro Damião será relacionada para uma partida oficial. Nessa semana, eles participaram do jogo-treino contra o Bangu, na terça, e se movimentaram bastante. Zé explicou o motivo de ter segurado os dois por tanto tempo, e ressaltou a preocupação com a adaptação.

O antes e o depois do CT em fotos

Manto Novo: Fla volta a homenagear Mundial de 81 em novo segundo uniforme; veja fotos

Fla pega Figueirense na fase nacional da Sul-Americana; veja confrontos

– Estão relacionados para a viagem, são dois jogadores com qualidades. Damião é um artilheiro, com passagens vitoriosas, não teve grandes passagens nas últimas equipes, mas confiamos de que pode recuperar. Donatti conhecemos menos, estamos tendo um pouquinho mais de cuidado com adaptação. Ele se apresentou com quase 47 dias de inatividade, estamos tendo uma preparação paulatina com ele. Ele participou de dois jogos-treinos, e vamos o preparando paulanatimente. Há um tempo atrás tivemos problemas com a zaga, mas agora felizmente temos muitas opções

Rivaldo Flamengo (Foto: Fred Gomes/GloboEsporte.com)
Rivaldo assistiu o treino do Flamengo
(Foto: Fred Gomes/GloboEsporte.com)

Flamengo, ainda assim, deve ter um desfalque para a partida de domingo, contra o Coritiba. O lateral-esquerdo Jorge, que sentiu dores no joelho momentos antes do duelo contra o América-MG, não treinou mais uma vez e deve ser substituído por Chiquinho. A atividade ficou marcada pela presença do pentacampeão mundial Rivaldo, que foi assistir seu sobrinho, Romildo, da equipe Sub-20.

Confira outras respostas de Zé Ricardo na coletiva desta sexta-feira:

Primeiro contato com Diego

– Foi um encontro rápido, a gente trocou poucos palavras. Externei a felicidade de tê-lo aqui e disse a ele que estamos aqui para materializarmos as expectativas dele. Estamos aqui para sermos facilitadores para ele seja muito feliz no período em que vai ficar no Flamengo.

Flamengo bem como visitante

– Parece coincidência, mas como a gente não tem o Maracanã, que é a nossa casa, a gente tem de jogar igual de toda forma em casa ou fora. A gente tem mais que o dobro de quilômetros voados do que o Palmeiras. São 40 mil km nossos e 20 mil km do Palmeiras. Isso é um dado importante, porque com certeza é um desgaste a mais, mas já sabíamos disso. Essa questão de ser um dos melhores visitantes é porque temos de ser iguais em todo lugar. Temos que fazer das dificuldades uma motivação a mais para brigar cada vez mais no topo da tabela.

Qual a maior busca do Fla atualmente?

– É preciso equilíbrio. O adversário pode sair mais ou não num jogo. Nossa ideia é que, independentemente do lugar onde o Flamengo jogue, é tentar jogar. Não é uma transformação fácil, mas temos jogadores inteligentes e de boa condição técnica. Todas equipes passam por momento de desequilíbrio, mas o Flamengo busca esse equilíbrio para chegar equilibrado no restante da competição.

Diego

– Foi um encontro rápido, a gente trocou poucos palavras. Externei a felicidade de tê-lo aqui e disse a ele que estamos aqui para materializarmos as expectativas dele. Estamos aqui para sermos facilitadores para ele seja muito feliz no período em que vai ficar no Flamengo. Diego está entregue ao CEP. Quando tiver condições de vir pra campo, eles vão me sinalizar. Está fazendo uma bateria de exames e testes para saber qual carga vamos poder passar para ele em campo. Temos os mesmos cuidados com Donatti e Damião para que possam estrear com saúde.

Jorge faz teste no sábado para saber se joga?

– Substituto imediato do Jorge é o Chiquinho, temos confiança total no Chiquinho. Está fazendo trabalhos no CEP, amanhã ele deve ir pra campo e vamos ver se tem condições de jogo ou não. Se o Jorge tiver condições, vai pro jogo.

Pensamento na Sul-Americana e necessidade de elenco grande.

– Flamengo entra na Sul-Americana para vencer, é uma competição que a gente não tem. É um mata-mata com 10 jogos e que vale vaga na Libertadores. O campo vai dizer quem estiver melhor para escalarmos.

Tecnologia no futebol

– Sou a favor, porque tudo evoluiu no futebol. Gosto de trabalhar com números, estatísticas… Não ganha jogo, mas ajuda demais. Temos o exemplo claro do que aconteceu com Alan Patrick. Ele estava com os mesmos sintomas, ficou fora contra Atlético e Botafogo, mas retornou bem contra o América. Provavelmente se tivéssemos esticado mais a corda, poderia trazer lesão e traria prejuízo enorme, porque o Alan é talentosíssimo, é um jogador inteligente e que tem muito a agregar para a nossa equipe. Concordo com o CEP. Não tinha motivo investir tanto no CEP e não usá-lo na condição plena.

Se fosse uma final de Libertadores, Sul-Americana, poderíamos até utilizar um jogador fora de sua condição ideal.

Rivaldo no Ninho e papo com ele

– Fui tietar o Rivaldo, torci pra caramba por ele, foi um dos grandes jogadores que tivemos no Brasil. Recentemente foi um dos tops, é impressionante como jogava com talento individual e para a equipe. Dos jogadores que mais me chamava atenção quando jogava. Em 2002, no Mundial foi peça-chave assim como o Ronaldo.

Motivo da visita de Rivaldo

– Veio ver o Rodrigo (Caetano). Se não me engano, jogou com Rodrigo em seu início no Mogi Mirim, não sei se houve outro motivo específico. É sempre bom receber presença de um atleta com tamanho energia, tomara que influencie os rapazes que estavam batendo falta no momento do jogo.

Fonte: globoesporte.com

Padrão
O Clube

O antes e o depois do CT em fotos

entradanova

 

CT em vídeo

Padrão
O Clube

Manto Novo: Fla volta a homenagear Mundial de 81 em novo segundo uniforme; veja fotos

A Adidas, fornecedora de material esportivo do Flamengo, divulgou nesta sexta-feira a nova camisa número 2 do clube. Assim como fez em 2011, o Rubro-Negro volta a homenagear a conquista do Mundial, que completa 35 anos. O uniforme branco de visitante tem gola V e as mangas listradas em preto e vermelho. As listras tradicionais da marca, assim como no primeiro uniforme, ficam nas laterais da peça.

Nova camisa 2 Flamengo Guerrero (Foto: Divulgação)

Guerrero, Juan, Ederson, Willian Arão e Mancuello foram os modelos nas fotos divulgadas. O uniforme estreia na partida contra o Sport – mesmo adversário do primeiro jogo com o atual primeiro uniforme -, no dia 13 de agosto, sábado, pela 20ª rodada do Campeonato Brasileiro. Eduardo Bandeira de Mello, presidente rubro-negro, falou sobre a nova reverência ao título mais importante da história do clube.

Novidadades do CT

Gols de falta: Adryan e Donatti

– A Camisa Branca do Mundial de 81 está presente no imaginário de todos os rubro-negros, nascidos ou não naquela época. É um orgulho e uma satisfação muito grande para nós termos o novo modelo inspirado naquela conquista histórica, após 35 anos. Agradeço à adidas por esse presente à Nação Rubro-Negra e aproveito para convidá-la a conferir o novo manto.

Nova camisa 2 Flamengo  (Foto: Divulgação)Willian Arão, Ederson e Juan também posam com o novo uniforme de visitante (Foto: Divulgação)
Nova camisa 2 Flamengo Mancuello (Foto: Divulgação)Nova camisa 2 Flamengo Mancuello (Foto: Divulgação)
Fonte: goloboesporte.com
Padrão
Copa SulAmericana

Fla pega Figueirense na fase nacional da Sul-Americana; veja confrontos

Os quatro confrontos da fase nacional da Copa Sul-Americana foram definidos na noite desta quarta-feira (28), após o término de alguns duelos da Copa do Brasil. O Flamengo pegará o Figueirense.

Campeão da Copa do Nordeste, Santa Cruz enfrentará o Sport. Chapecoense jogará contra o Cuiabá, dono do título da Copa Verde. E o Coritiba terá pela frente o Vitória, que foi terceiro colocado da Série B no ano passado, mas que conseguiu vaga.

Confrontos da fase nacional da Copa Sul-Americana

  • Santa Cruz x Sport
  • Cuiabá x Chapecoense
  • Figueirense x Flamengo
  • Vitória x Coritiba

Datas e horários ainda serão definidos pela Conmebol. Vale lembrar que os brasileiros estrearão no torneio apenas na segunda fase. A primeira foi dividida em duas regiões do continente. Na Zona Norte, duelam clubes de Colômbia, Equador, Peru e Venezuela. Na Sul, times de Uruguai, Paraguai, Bolívia e Chile. Ao todo, serão 16 embates, oito por região.

A Copa do Brasil, nesta quarta, teve dois confrontos decisivos para a Sul-Americana: os vencedores de Ponte Preta x Figueirense e Chapecoense x Atlético-PR avançariam no torneio nacional, e os perdedores ganharam espaço no continental. Os dois catarinenses perderam.

Santa Cruz e Cuiabá já tinham vaga devido aos títulos regionais conquistados. Flamengo, eliminado anteriormente pelo Fortaleza da Copa do Brasil, e Sport, que não passou nem da primeira eliminatória do nacional, também eram nomes certos, devido à posição na tabela do Brasileirão-2015.

O Vitória foi o último a garantir classificação – que “caiu no colo” com o avanço do Fluminense na Copa do Brasil, ao derrotar o Ypiranga, também nesta quarta.

Fonte: Uol

Padrão